• Ao Lar

    Expressões Alentejanas (rural;Sines)

    Linguiças; Ao Lar; Expressões Alentejas: Alentejo




Jantar; Ao Lar; expressões Alentejanas; Alentejo

Ainda o sol se escondia lá atrás na montanha e já a mãe acendia a lareira!

Era “ao lar” que a mãe começava o dia

Era “ao lar” que a mãe começava o dia. Muito, muito cedo!

Ainda o sol se escondia lá atrás na montanha e já a mãe acendia o lume!

O lume era a luz que, junto com o candeeiro a petróleo, iluminava as nossas manhãs!

Toucinho; Ao Lar; Expressões Alentejanas; Alentejo; AlentejoTurimo

Quando eu acordava, já a mãe estava “ao lar”! Já tinha a panela de barro aoSave lume com o feijão e o toucinho,; ao lar.

Já tinha a panela de barro ao lume com o feijão e o toucinho

Quando eu acordava, já a mãe estava “ao lar”!

Já tinha a panela de barro ao lume com o feijão e o toucinho, que havia de ferver até perto do meio dia e aos quais ela juntaria a couve acabada de arrancar da terra.

A couve que eu adorava ver a mãe arranjar e “migar” para dentro da panela, da qual sobrava o talo que eu comia como se fosse um doce.

“Ao lar” estavam as cadeiras baixas, em tons alentejanos: verde, azul, amarelo e vermelho.

Ao Lar

“Ao lar” estavam as cadeiras baixas, de madeira meio tosca, pintada de verde, com fundo de palhinha, das quais a menor era a minha.

Era ali no quente do lar que eu me sentava, na tal cadeira.

Ali, tomava o pequeno almoço e a mãe me penteava e fazia as duas trancinhas, antes de eu partir na grande caminhada para a escola.

“Ao lar” a mãe tinha outra panela grande cheia de água que ,depois de ferver, se afastava um pouco das brasas e se mantinha quente o dia inteiro, para as mais variadas lides da casa.

Os banhos, a loiça, ou as sopas de pão que quase diariamente se punham na mesa.

Lareira alentejana; Ao Lar; Expressões Alentejanas; Alentejo

Era ali “ao lar” que tudo acontecia

Depois anoitecia e, ali ,“ao lar”, a mãe contava histórias maravilhosas

Quando eu regressava da escola, nos dias frios de inverno, sentava-me “ao lar” e aquecia os pés e as mãos geladas e quando a chuva nos apanhava na grande caminhada, ali se secava a roupa e as botas molhadas.

Depois anoitecia e, ali ,“ao lar”, a mãe contava histórias maravilhosas e o pai, muitas vezes, adormecia derrotado pelo cansaço da “labuta”.

Era ali “ao lar” que tudo acontecia.

Escritora: Ana Brissos/2021



Pontos de interesse em Alentejo



Booking.com

Alojamentos recomendados por alentejoturismo.pt

    Casa da Ti Catrina

    A casinha do Rui: vista de mar e cidade

    Castle in Blue Apartments

    Monte da Redonda: uma história de amor

    Monte da Azinheira Grande

Mais impressões de “Ao Lar”

Escreva o seu comentário.




Guida Brito
Author: Guida Brito

© Copyright - AlentejoTurismo.pt